Por favor vire o ecrâ na vertical para visualizar o website

INICIAR SESSÃO

REGISTAR

REPOSITÓRIO

METEOROLOGIA

Sábado

Data: 2019-01-19

Max: 14ºC

Min: 7ºC

Domingo

Data: 2019-01-20

Max: 14ºC

Min: 6ºC

Segunda-feira

Data: 2019-01-21

Max: 14ºC

Min: 2ºC

ENVIE PARA O JORNAL METEOROLOGIA ÚLTIMAS + LIDAS + PARTILHADAS HISTÓRICO DE NEWSLETTERSASSINATURA DIGITALINICIAR SESSÃOREGISTAR HISTÓRIA E ESTATUTO EDITORIAL POLITICA DE PRIVACIDADE / TERMOS DE USO FICHA TÉCNICA RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO SOCIETÁRIO

OPINIÃO

MENSAGEM | João Palmeiro - Presidente da Associação Portuguesa de Imprensa Membro da Direção da Associação Mundial de Editores de Jornais | Soberania do Povo, 140 anos a lutar pela informação contra a manipulação

2019-01-03 11:14:28

Foto SP

MENSAGEM | João Palmeiro - Presidente da Associação Portuguesa de Imprensa Membro da Direção da Associação Mundial de Editores de Jornais | Soberania do Povo, 140 anos a lutar pela informação contra a manipulação

Os 140 anos do jornal Soberania do Povo assinalam muito mais do que o aniversário de um dos mais antigos jornais portugueses e do Mundo.
Este dia será também o da apresentação do Projeto Património Memória do Mundo (UNESCO) que, desde 1992, convida os Estados Membros da UNESCO e a Sociedade Civil a depositarem acervos, sem os quais o nosso futuro seria uma mera constatação de cada dia que passa.

Os trinta e quatro jornais Portugueses em publicação contínua há mais de 100 anos constituem parte fundamental desse acervo global e uma fatia determinante do jornalismo de língua portuguesa.

Em todo o Mundo são cerca de 180 as publicações que periodicamente chegam aos seus leitores há mais de um século, em papel e, mais recentemente, também em suporte digital, a que temos de somar as 34 que se publicam em Portugal.

O Jornal Soberania do Povo criou, ao longo dos seus 140 anos de publicação continuada, um crédito de confiança e reconhecimento nas sucessivas gerações de Aguedenses que, na sua cidade ou espalhados pelo País e pelo Mundo, conheceram factos e formaram opinião, sempre com base no jornalismo seguro e ativo que é reconhecido nas páginas deste jornal centenário.

Em dias de luta contra a desinformação e a manipulação jornalística, o Soberania do Povo ilustra bem a necessidade de ser promovida a sustentabilidade financeira e económica do projeto; a realidade jornalística está mais do que provada pelas dezenas de milhar de edições publicadas e que podem ser saboreadas na coleção magnificamente preservada na sede do jornal.

Hoje, no dia em que completa 140 anos de publicação continuada, o jornal Soberania do Povo irmana-se especialmente com os jornais de outros países, como ele lançados em 1878, 1879 ou 1880. O Fluminense, 1878 (Brasil), o The Egyptian Gazette, 1880 (Egipto), o Hameen Sanomat, 1879 (Finlândia), o The Hindu, 1878 (India), o japonês Asahi Shimbun, 1879, o sueco Dagens Nyheter, 1878, e a Tribune de Geneve, 1879 (Suíça) são os companheiros de missão democrática, cultural e cívica que caminham para o reconhecimento de Património Memória do Mundo (Unesco). A Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completou 70 anos no passado mês de dezembro, consagra este direito de publicar livremente jornais e a liberdade de expressão como um direito fundamental.

Como o jornal Soberania do Povo já faz há 140 anos, ganhando assim o direito a ser considerado parte integrante da memória de Portugal como suporte dos direitos dos cidadãos e afirmando-se sem receios na luta contra a desinformação e a manipulação jornalística.

Em nome de todos os jornais do mundo, afirmo que o jornal Soberania do Povo terá o apoio na sua luta pelo jornalismo independente e autónomo e na defesa intransigente da soberania do povo, de Águeda, de Portugal e da língua Portuguesa.

Ao António Silva e Família, ao Jorge Costa, Paula Almeida, e a todos os Colaboradores, credores de admiração, reconhecimento e amizade, deixo também o muito obrigado e o apoio e solidariedade para que o Soberania do Povo continue, no trilho que lhe é reconhecido há 140 anos, a informar, com jornalismo de qualidade, Águeda, Portugal e os portugueses no mundo. l JOÃO PALMEIRO