Por favor vire o ecrâ na vertical para visualizar o website

INICIAR SESSÃO

REGISTAR

REPOSITÓRIO

METEOROLOGIA

Terça-feira

Data: 2019-06-18

Max: 25ºC

Min: 11ºC

Quarta-feira

Data: 2019-06-19

Max: 24ºC

Min: 14ºC

Quinta-feira

Data: 2019-06-20

Max: 23ºC

Min: 13ºC

ENVIE PARA O JORNAL METEOROLOGIA ÚLTIMAS + LIDAS + PARTILHADAS HISTÓRICO DE NEWSLETTERSASSINATURA DIGITALINICIAR SESSÃOREGISTAR HISTÓRIA E ESTATUTO EDITORIAL POLITICA DE PRIVACIDADE / TERMOS DE USO FICHA TÉCNICA RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO SOCIETÁRIO

Luísa Mello

OPINIÃO | Luisa Mello | O que falta é o bom-senso

2019-05-28 16:41:29

Foto SP

OPINIÃO | Luisa Mello | O que falta é o bom-senso

"As leis são como as salsichas, é melhor não saber como são feitas".
Bismarck, 1.º Chanceler da Alemanha

m Um país sem leis seria um aleijão. Ao contrário de Rousseau e da sua teoria do "Bom Selvagem" acho que nenhuma sociedade poderia funcionar sem leis, regras, normas. Não é vivendo solto na Natureza que o Homem se libertaria dos seus piores instintos, não socializaria e a noção do livre arbítrio que permite a cada um de nós distinguir o bem do mal utilizando a sua vontade para um ou outro era bem capaz de escolher a menos conveniente: porque é que o "bom selvagem" haveria de ser sempre bom?!... Émile, o protótipo de Rousseau, parece-me mais uma hiena que um simpático macaco. Como diziam os romanos da antiguidade: primeiro viver depois filosofar. Pragmáticos, eles, no bom sentido da palavra. Vivamos, pois e olhemos em volta. Fazer lei para evitar que o Estado e mais precisamente os governos sejam tão dedicados às famílias e ao seu bem-estar social e económico parece-me disparatado. O mesmo para com os amigos de infância, da tropa, da faculdade, vizinhos de cima ou de baixo com visitas mútuas. Sócrates - o José - foi um grande amante deste "desporto" e até certa altura parece que se deu bem... Parece. A mim parece que a continuação do "sistema" é pura falta de vergonha na cara, ou, expressão brasileira, a maior cara de pau. O 1.º ministro esteve todo o tempo a assobiar para o lado?! Não sabia de nada? Se não sabia tinha o dever de estar atento. Quando alguém lhe parou com o assobio, lembrou-se de situações parecidas em executivos antigos. A nossa história está cheio delas, já D. Afonso Henriques deixou benefícios e cargos a D. Sancho I, seu filho e este lhe seguiu a inclinação e por aí fora até à implantação da república. Só que a ética republicana renegou a monarquia mas não alguns dos seus preceitos. Sempre que estudo os tempos da 1.ª república, passo logo a monárquica...
m Continuando: reis, príncipes, nobres tiveram meios de transporte e cavalos a dar com um pau. Deu para fazer um óptimo museu. Consta que Costa tem a seu serviço 12 motoristas! Por um pouco batia a Madona. Para quê tantas viaturas? Porque as "herdou" de antigas governações, ora essa! Boa e explícita desculpa... Já que para o mal tudo vem de trás, voltando aos tempos da monarquia, também os monarcas deviam ter dúzias de cavalos e cavalariços que foram deixando aos sucessores e parentes. A ética republicana do presente governo parece não desdenhar da história antiga, ou como costuma dizer-se com muita lucidez: quem parte e reparte ou fica com a melhor parte ou é tolo e não tem arte.
m Passando a maior modernidade: assisti um dia destes a inauguração dos novos ou remodelados estaleiros de Viana do Castelo. Grande e alegre festividade! Teria ficado mais contente se não tivesse assistido também ao simulacro de enterro que os opositores de então, governantes de hoje, fizeram aos mesmos estaleiros. Celebraram, como se dizia, a ceia de funeral com o cadáver na sala. Crentes na ressurreição fizeram agora uma espécie de "chá de bébé" de arromba. De bébé não, que o trasatlântico é monumental só é pena que seja obra de iniciativa privada... Já uma vez fiz com o meu marido um pequeno cruzeiro pelo rio Douro, cinco dias e noites entre Gaia e Barca d'Alva nesta mesma empresa e foi uma coisa lindíssima em todos os aspectos. Agora o seu empresário vai mais longe e os que lhe fizeram o enterro fazem-lhe agora o baptismo.
- Como disparates e incoerências e propaganda não é só exclusivo nosso, os britânicos resolveram dar um monumental tiro nos dois pés! O Bretix faz-me lembrar um jogo de matraquilhos: pumba para trás, pumba para a frente e é um trabalhão para chegar à baliza!
- LUISA MELLO