Por favor vire o ecrâ na vertical para visualizar o website

INICIAR SESSÃO

REGISTAR

REPOSITÓRIO

METEOROLOGIA

Terça-feira

Data: 2019-06-18

Max: 25ºC

Min: 11ºC

Quarta-feira

Data: 2019-06-19

Max: 24ºC

Min: 14ºC

Quinta-feira

Data: 2019-06-20

Max: 23ºC

Min: 13ºC

ENVIE PARA O JORNAL METEOROLOGIA ÚLTIMAS + LIDAS + PARTILHADAS HISTÓRICO DE NEWSLETTERSASSINATURA DIGITALINICIAR SESSÃOREGISTAR HISTÓRIA E ESTATUTO EDITORIAL POLITICA DE PRIVACIDADE / TERMOS DE USO FICHA TÉCNICA RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO SOCIETÁRIO

LITERATURA

LITERATURA | Lí Marta sonha com internacionalização

2019-05-29 14:15:00

Foto SP

LITERATURA | Lí Marta sonha com internacionalização

A escritora aguedense Li Marta lançou, recentemente, um dos primeiros livros da Triologia Perdão - intitulado "Silêncio do Meu Perdão" -, e referiu ao nosso jornal que gostaria de ver as suas obras serem reconhecidas internacionalmente.
Lí Marta, que nasceu em Águeda há 46 anos e onde vive até hoje, com a família, considera-se uma aguedense de gema e por isso escolhe Águeda para o lançamento de todas as suas obras.
A autora lançou, em 2013, o seu primeiro romance "O Último Adeus", que já vai na terceira edição.
Em 2015, lançou o seu segundo romance "Espírito Selvagem". Seguindo-se "Penúltima Esperança" em 2017, ambas as obras em segunda edição.
Mais recentemente, no início deste mês, a escritora apresentou o primeiro livro da triologia Perdão, "O Silêncio do Meu Perdão".
"Foi perto dos meus onze anos de idade que despertei o sabor pela escrita e era nos diários que anotava tudo aquilo que, principalmente à família dizia respeito. Ao longo de quase duas décadas fui anotando histórias familiares, que vieram a dar lugar ao meu primeiro livro e à minha iniciação na edição de obras, neste caso romances".
"Quando ainda menina e a vontade da escrita floria em mim, estava longe de imaginar que um dia viesse a editar um livro. Esse despertar só aconteceu por volta dos 26 anos de idade, ao ler o livro: "As Palavras que Nunca Te Direi", de Nicholas Sparks. Interroguei-me porque não editar as minhas memórias? E foi de memórias que "O Último Adeus" foi preenchido. Histórias da minha avó".
"E foi assim que em 2013 me lancei nesta grande aventura que é passar noites a escrever".
Para a autora que está eternamente grata à escrita por esta ter cruzado na sua vida muitas pessoas de valor, é também importante sensibilizar os jovens para a leitura, embora Lí Marta reconheça que "o ler e escrever é uma essência que nasce com cada pessoa, tal como jogar à bola, pintar, cantar, etc. Embora se possa e deva cultivar o gosto pela leitura e escrita".
Em relação à sua última obra VER EDIÇÃO IMPRESSA OU DIGITAL