Por favor vire o ecrâ na vertical para visualizar o website

INICIAR SESSÃO

REGISTAR

REPOSITÓRIO

METEOROLOGIA

Sexta-feira

Data: 2019-12-06

Max: 17ºC

Min: 7ºC

Sábado

Data: 2019-12-07

Max: 16ºC

Min: 7ºC

Domingo

Data: 2019-12-08

Max: 16ºC

Min: 12ºC

ENVIE PARA O JORNAL METEOROLOGIA ÚLTIMAS + LIDAS + PARTILHADAS HISTÓRICO DE NEWSLETTERSASSINATURA DIGITALINICIAR SESSÃOREGISTAR HISTÓRIA E ESTATUTO EDITORIAL POLITICA DE PRIVACIDADE / TERMOS DE USO FICHA TÉCNICA RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO SOCIETÁRIO

Luísa Mello

OPINIÃO | Luisa Mello | Parabéns para todos os gostos

2019-07-23 17:20:11

Foto SP

OPINIÃO | Luisa Mello | Parabéns para todos os gostos

l A caneta foge-me hoje para enviar parabéns. À minha querida Ana Miguel, cabeça de lista por Aveiro em próximas Legislativas. Conheço a Ana desde a sua infância. Conheço seus pais, ambos pessoas de carácter e inteligência. Conheço como a um neto seu irmão mais novo, colega de jardim de infância do meu neto Pedro, de escola primária, de todo o tempo de estudo que decorreu até que a Universidade e as diferentes inclinações académicas os levaram em direcções diferentes, ambas em Lisboa. Serão amigos até andarem de bengala... A Ana, irmã mais velha, era, desde que ambos começaram a caminhar, "uma mãezinha sobresselente" daqueles dois. Teria os seus nove ou dez anos. Não deixou por isso que os seus estudos fossem descurados: altas notas, óptimo aproveitamento sempre até à conclusão dos seus estudos universitários. Alegre, carinhosa, inteligente, atenta sempre ao que bom ou de mau a sociedade exibia, lutando por "consertar" o que podia ser remendado. Parabéns, querida Ana, tu sabes quanto gosto de ti e admiro as tuas qualidades. Auguro-te as maiores felicidades no campo familiar e político. Merece-lo!
Parabéns por parabéns passo a outra área política mas aviso desde já que estes são... cínicos. O cinismo é de certa maneira repugnante e é coisa que me escuso a usar. Uma falha de carácter que só pode ter desculpa nas palavras de Óscar Wilde: "Registo a tudo menos à tentação!". Assim desculpada passo às felicitações: ao dr. António Costa, por ter sido convidado para um elevado cargo na Europa! Teve a modéstia de não citar a distinção, acredito que tenha sido coisa de vulto... Ao dr. Costa, de novo, que terá recusado para ficar a pastorear-nos a todos aqui na santa terrinha, sem a sofisticação e o glamour das altas instâncias europeias. Agradeço no que me toca mas perdoar-lhe-ia de muito boa vontade se tivesse aceite. Felicitações, também, ao dr. Centeno, o nosso mealheiro nacional. Anda tudo nas ruas fora a protestar mas deve ser só de brincadeira. Segundo as sondagens, os votos deste povo sofredor vão na sua maior parte para o PS. Como se diria mesmo na brincadeira e futebolísticamente falando: no futebol são onze contra onze e no fim ganha a Alemanha... Neste caso, o dr. Centeno. Eu, que nem nos tempos da Troika, herança dos desmemoriados dos inquéritos parlamentares por "maldosas" dúvidas sobre comportamentos reprováveis, nunca depois dos sacrifícios obrigatórios para não ter de se continuar de castigo, euzinha, nunca me vi com tanto imposto, taxas, peditórios, esbulhos, como o que acontece nestes tempos de aprégoado virar de página da austeridade! Logo que acordo ligo o rádio para ouvir o noticiário e não é por causa do boletim meteorológico (que também anda ao deus-dará e há-de dar para outra conversa) antes pela curiosidade de saber qual a greve principal do dia, outras manifestações de desagrado, queixas do "desmantelamento" do SNS, de variadíssimos grupos profissionais, de gente mal disposta com a vida corrente. Parabéns, dr. Centeno, continue a aforrar no seu mealheiro, quem sabe se para futuras eventualidades...
"Há dinheiro, mas não há dinheiro", era um óptimo pin para trazer na lapela. E vamos lá soprar as velas desta grande festa: parabéns - não maldosos! - ao João Miguel Tavares quando escreve no Público: "Como se viu pela abstenção (nas Europeias) e pelo resultado poucochinho, a onda rosa não existe, o PS continua a ter os péssimos hábitos de quem se julga dono disto tudo (...) e a bancarrota socrática deixou marcas profundas".
l LUISA MELLO
05-07-2019