Por favor vire o ecrâ na vertical para visualizar o website

INICIAR SESSÃO

REGISTAR

REPOSITÓRIO

METEOROLOGIA

Sábado

Data: 2019-10-19

Max: 17ºC

Min: 11ºC

Domingo

Data: 2019-10-20

Max: 17ºC

Min: 9ºC

Segunda-feira

Data: 2019-10-21

Max: 17ºC

Min: 7ºC

ENVIE PARA O JORNAL METEOROLOGIA ÚLTIMAS + LIDAS + PARTILHADAS HISTÓRICO DE NEWSLETTERSASSINATURA DIGITALINICIAR SESSÃOREGISTAR HISTÓRIA E ESTATUTO EDITORIAL POLITICA DE PRIVACIDADE / TERMOS DE USO FICHA TÉCNICA RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO SOCIETÁRIO

Humberto Moreira

OPINIÃO | Humberto Moreira | O despertar!

2019-10-08 14:34:22

Foto SP

OPINIÃO | Humberto Moreira | O despertar!

A adrenalina eleitoral por vezes traz consigo uma euforia e um clima de tal forma inebriante, que, tendencialmente, baralha as mentes mais complicadas e pode influenciar outras mais sóbrias .
No passado fim de semana viveu-se um momento eleitoral, as eleições Legislativas. O período de campanha foi de tal forma intenso, que a certo momento dei por mim a pensar que estavam em disputa eleições autárquicas, tal a azáfama local. Deu até para aqueles que há dois anos não tiveram a coragem de se deixarem “julgar” pelos Aguedenses, apanharem um pouco de sol e virem novamente à ribalta puxar dos galões da já tradicional “fanfarronice” e também da sua conhecida sobranceria e, não estivéssemos nós plantados à beira rio, até diria que foi com um certo ar de “Borda d’água”.
O desespero e a arrogância em reconhecer problemas políticos internos que alguns não conseguiram resolver enquanto estiveram envolvidos, leva a “atalhar de foice”, na tentativa ofegante de solucionar algumas questões estruturais da nossa politica local e ainda a que se ataque, mais uma vez, de forma muito pouco elegante, aquele que foi um movimento cívico histórico, independente e fortemente legitimado pelos munícipes há cerca de dois anos. O que é que torna um movimento politico independente menos legitimo que um movimento partidário? Dois anos depois ainda andamos nisto.... que conceito de democracia é este que apenas quer servir alguns? É esta a nossa “nata” política que se acha mais capaz pelo facto de usar um dístico na lapela? As feridas foram de tal forma profundas que qualquer movimento eleitoral, nem que seja do condomínio do prédio, leva novamente ao despertar do insulto gratuito e do discurso “banal” .
A oportunidade e a coragem andam de mãos dadas, sendo apenas arma dos audazes, daqueles que saem das trincheiras e não se acobardam num cenário adverso, mantendo o foco no que é essencial, neste caso única e simplesmente em Águeda e nos seus cidadãos. Vivemos entre os que perdem e nunca aceitam e os eternos candidatos que vão divagando desesperadamente à procura da melhor boleia para se pendurarem, na esperança de um melhor destino!!
O nosso concelho merece muito mais do que um discurso azedo e vazio. Merece continuar a ser visto tal como é, sem memória curta e sem ser necessário recorrer à Águeda TV ou indo mais atrás, aos arquivos históricos da SP, para se saber como era a nossa cidade e aquilo que se passava há mais de uma dúzia de anos. Será que a memória também os atraiçoa?
A humildade permite-me reconhecer que muito há a fazer e a corrigir, desde melhorar as condições de vida dos nossos munícipes, até às obras e o turbilhão de projetos no centro da cidade e nas freguesias, que diariamente nos incomodam, fazendo por vezes desesperar. No entanto, nada me turva a visão para reconhecer que depois iremos certamente pensar, “Valeu a pena !!”. A humildade permite-me ainda assumir que não há municípios nem estratégias perfeitas e muito menos políticos perfeitos, mas mais do que saber o que merecemos, importa saber o que não queremos.
Definitivamente, Águeda não precisa de políticos que “ouviram dizer”, mas sim de políticos que digam sem medos, “eu fiz, eu faço e eu farei”, e isso não é para todos, é apenas para os que têm a coragem de se assumir. Não precisa de “senadores” que falam sempre da mesma maneira, sempre para o mesmo lado, querendo passar a ilusão de que são os únicos donos de um olhar limpo.
- HUMBERTO MOREIRA