Por favor vire o ecrâ na vertical para visualizar o website

INICIAR SESSÃO

REGISTAR

REPOSITÓRIO

METEOROLOGIA

Quinta-feira

Data: 2020-12-03

Max: 13ºC

Min: 8ºC

Sexta-feira

Data: 2020-12-04

Max: 9ºC

Min: 6ºC

Sábado

Data: 2020-12-05

Max: 11ºC

Min: 7ºC

ENVIE PARA O JORNAL METEOROLOGIA ÚLTIMAS + LIDAS + PARTILHADAS HISTÓRICO DE NEWSLETTERSASSINATURA DIGITALINICIAR SESSÃOREGISTAR HISTÓRIA E ESTATUTO EDITORIAL POLITICA DE PRIVACIDADE / TERMOS DE USO FICHA TÉCNICA RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO SOCIETÁRIO

Luis Grilo

OPINIÃO | Luís Grilo | Falta alcatrão na estrada da solidariedade

2020-05-26 15:22:39

FOTO SP

OPINIÃO | Luís Grilo | Falta alcatrão na estrada da solidariedade

Qualquer desgraça que aflija a Humanidade cria rutura com o quotidiano. Essa rutura pode ser aproveitada, tanto para o bem, como para o mal. Foi assim, por exemplo, com o 11 de setembro, com a entrada da troika em Portugal e agora, com a propagação da covid19.
A crise social é o rasto mais visível deixado pela pandemia. Por isso, é crucial romper com o "antigo normal" e aproveitarmos o momento para alcatroarmos uma estrada de solidariedade, que não só mitigará as desigualdades, como funcionará como a mais eficiente forma de relançar a economia local.
Esta nova infraestrutura municipal tem que, no mínimo: fornecer bens alimentares básicos às pessoas com dificuldades financeiras; garantir refeições quentes às famílias com alunos escalonados; disponibilizar motoristas e viaturas não-essenciais para entrega de medicamentos e prestação de cuidados médicos domiciliários; constituir uma rede de empregabilidade, para melhor acesso ao mercado de trabalho, com todos os direitos; criar um gabinete de informação e apoio para requerimento de subsídios, moratórias, etc.; contemplar mais recursos para maior deteção e acompanhamento de todos os casos de violência doméstica; e distribuir, por todos os habitantes do concelho, um kit básico de proteção, com máscara e gel desinfetante.
Estes são mínimos essenciais que deveriam alicerçar, desde já, a nova realidade coletiva.
Mas, em Águeda, o novo normal nem é novo, nem normal. A classe política está mais concentrada na dança das cadeiras e já está numa realidade alternativa chamada "pré-campanha eleitoral". O poder económico local aproveita o embalo e reposiciona-se. Deixa cair um apoio aqui e faz juras de amor eterno acolá. E a nós, aguedenses sem uma força política eleita que realmente defende os nossos interesses, espera-nos um embate cruel com a calamidade social, como já atestam os números do disparo do desemprego e a brutal diminuição dos rendimentos disponíveis.
LUÍS GRILO